Domínios e Habilidades

Contato num click

WhatsApp.png
Desenvolvimento Emocional.png

Emily Esfahani Smith, autora de The Power of Meaning

Disponível em https://www.centreforoptimism.com/Optimism-and-Resilience

O desenvolvimento emocional é um construto onde estão inseridos vários processos intrapessoais e interpessoais relacionados à aquisição de competências fundamentais para se estabelecer um padrão comportamental com forte potencial de realizações positivas voltadas para o bem-estar e florescimento na vida das pessoas e do planeta.

Um conjunto de habilidades, aprendidas e aprendíveis, são essenciais no aprimoramento dessas competências e estão relacionadas à capacidade que as pessoas têm de identificar e gerir seus próprios sentimentos, ser capaz de motivar a si mesmo e de construir relacionamentos saudáveis. Essas habilidades devem ser expressas através de ações e narrativas positivas, serem utilizadas em quaisquer situações e manterem-se ativas ao longo do curso de sua vida.

Daniel Goleman, psicólogo, escritor, PhD da Universidade de Harvard, considerado o “pai da Inteligência Emocional”, divide com Peter Salovey a formulação da teoria da inteligência emocional: “A Peter Salovey, de Yale, devo o conceito de ‘inteligência emocional’” (Goleman, 2011, p.363).

Conceitualmente Goleman define a inteligência emocional como sendo a “...habilidade para reconhecer o significado das emoções e suas inter-relações, assim como raciocinar e resolver problemas baseados nelas. A inteligência emocional está envolvida na capacidade de perceber emoções, assimilá-las com base nos sentimentos, avaliá-las e gerenciá-las” (Mayer, Caruso & Salovey, 2000, p. 267).

Goleman divide o conceito de Inteligência emocional em quatro domínios: Autoconsciência, Autogestão, Consciência Social e Gestão de Relacionamentos. No Programa de Desenvolvimento Emocional, elaborado pelo Instituto ISA, esses domínios são considerados habilidades aprendidas e aprendíveis e a elas foram acrescentadas mais duas habilidades igualmente essenciais: Autocompaixão e Tomada de Decisão Responsável. Essas habilidades são apresentadas em três domínios: “Intrapessoal”, “Interpessoal” e “Intra e Interpessoal”.

domínio intrapessoal

A autoconsciência, autorregulação e autoestima são habilidades de natureza intrapessoal. A primeira é a capacidade de refletir sobre si mesmo e de reconhecer as suas emoções, a segunda, originada da primeira, é a capacidade da pessoa gerir a si própria e a terceira corresponde a capacidade de pensar positivamente sobre si mesma.

autoconsciência

Autoconsciência é a capacidade de se ver com clareza e objetividade por meio da reflexão e da introspecção. Envolve a consciência que temos dos nossos próprios pensamentos, sentimentos, emoções e valores e como eles influenciam nosso comportamento em diferentes contextos. Goleman destaca a autoconsciência como sendo um componente crucial da inteligência emocional. O desenvolvimento dessa habilidade possibilita ao cliente potencializar sua capacidade de conhecer suas emoções e os efeitos que produz em seu corpo, além de reconhecer seus próprios sentimentos.

autogestão - Regulação emocional

É a capacidade de exercer controle sobre si mesmo para atingir objetivos ou cumprir normas. Isso inclui a capacidade de adiar a gratificação, administrar o estresse e sentir motivação para realizar objetivos pessoais e coletivos. Ana Paula Noronha, PUCRS, aponta que diferentes circunstâncias e eventos cotidianos requerem que as pessoas consigam se autogerir, sendo que cada situação, a depender do contexto, exigirá estratégias distintas.

A autogestão permite que você regule seus sentimentos, pensamentos e ações. Quando você se sente sobrecarregado, essa força o ajuda a redirecionar suas emoções de maneira saudável. Mesmo quando os outros reagem fortemente, você mantém seu equilíbrio e compostura. Você não é provocado facilmente e sabe manter a calma (Rashid & Seligman, 2019). Através desse domino o cliente adquire a capacidade de gerenciar a si mesmo. Ao lidar assertivamente com as emoções e os sentimentos delas resultantes o cliente adquire forte potencial para promover a resiliência e fortalecer os relacionamentos.

autocompaixão

Desenvolver texto da autocompaixão

domínio interpessoal

A consciência social e a gestão de relacionamentos são habilidades de natureza interpessoal e estão relacionadas com as interações com as outras pessoas, cuja base é o conceito de empatia, isto é, a capacidade que nós devemos ter em compreender os sentimentos dos outros e poder nos colocar no lugar deles.

consciência social

Consciência social é a capacidade de conhecer e sentir compaixão pelas pessoas ao seu redor e possuir a habilidade de interagir com elas da maneira mais eficiente e adequada. Desenvolver níveis mais elevados de consciência social significa ser capaz de lidar adequadamente com os problemas sociais e interpessoais. Uma consciência social desenvolvida abre as portas para a construção de relacionamentos positivos.

gestão de Relacionamentos

Conexões positivas, úteis e inspiradoras levam a emoções mais positivas, permitindo que nos sintamos ouvidos, vistos e apoiados. Desenvolver habilidades de estabelecer e manter relacionamentos saudáveis inclui a capacidade de se comunicar com clareza, ouvir atentamente e negociar conflitos. Apoiar e oferecer ajuda sem expectativas, compartilhar boas notícias ou comemorar o sucesso promove o fortalecimento dos relacionamentos.

domínio intra e interpessoal

A tomada de decisão responsável é uma habilidade de natureza intra e interpessoal e está relacionada à criação de habilidades capazes de levar a escolhas construtivas sobre o comportamento pessoal e nas interações com as outras pessoas, nas diversas situações e contextos sociais.

tomada de decisão responsável

Tomar decisões responsáveis corresponde a capacidade de fazer escolhas construtivas sobre o comportamento pessoal e nas interações sociais com base em padrões éticos, questões de segurança e normas sociais. Essencialmente, todos os aspectos de uma decisão potencial e suas consequências devem ser considerados antes que uma escolha seja feita. Para fazer escolhas responsáveis é necessário avaliar a situação, analisar suas opções e considerar as prováveis consequências de cada uma dessas opções para si próprio e para os outros.